(17) 99198-3433 contato@beautebella.com.br

Brasil. Desde o início do ano até o dia 11 de junho, 1.003 pessoas morreram em decorrência do vírus H1N1 no Brasil, segundo novo informe epidemiológico publicado pelo Ministério da Saúde. Em uma semana, desde a divulgação do boletim anterior, foram registradas 117 novas mortes pelo vírus. Ao todo, foram notificados 5.214 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por influenza A/H1N1 ao longo de 2016. Diante de números tão alarmantes, não é de se estranhar que a população procure se prevenir de diversas formas. E a medicina natural tem muito a contribuir nesse sentido, principalmente por meio do uso dos óleos chamados essenciais, que têm se mostrado grandes aliados no combate ao vírus.

Com características terapêuticas comprovadamente eficazes, os óleos essenciais fortalecem as defesas naturais do corpo e contribuem para o equilíbrio do sistema imunológico, pois atuam no corpo em nível celular. “Muitos óleos essenciais agem terapeuticamente por efeito de sinergia. Isso significa que alguns de seus resultados se dão devido à complexa mistura de componentes que eles possuem”, explica Fábián Laszlo, cientista aromatólogo e diretor da LASZLO, empresa brasileira líder do mercado de aromaterapia e uma das maiores fabricantes e comercializadora do produto.

Segundo ele, inúmeros trabalhos científicos mostram um potencial incrível de diversos óleos essenciais contra o vírus Influenza, como os de canela, eucalipto globulus, bergamota e tomilho, que foram eficientes em baixíssimas concentrações. “Todos os óleos tiveram ação antiviral via vaporização em até 30 minutos, inativando completamente o vírus no ar e sem ocasionar efeitos adversos às células epiteliais do pulmão”, esclarece Fábián.

Mas como isso acontece? De acordo com o pesquisador, o Influenza possui duas proteínas em sua membrana, a HA (hemaglutinina) e NA (neuraminidase) que são responsáveis pela entrada e saída do vírus das células. “A inibição de alguma destas proteínas impacta na diminuição do crescimento e disseminação do vírus, podendo igualmente inativá-lo. E é isso que acontece quando o doente é exposto a esses óleos por meio da vaporização”, reforça.

Além dos já citados acima, Fábián também recomenda o óleo essencial de patchouli como um poderoso anti-inflamatório e antimicrobial que inibe fortemente a multiplicação do H1N1 e promove rápida redução da quantidade de vírus no pulmão. “Anticorpos para o vírus da gripe aumentaram muito mais no grupo que ingeriu o patchouli. Houve, ainda, uma ação direta sobre o vírus potencialização da resposta imunológica, além de redução da resposta inflamatória pulmonar”, afirma. Por último e não menos importante, o óleo essencial de tea tree (Melaleuca alternifolia) também possui interessante atividade antiviral frente ao vírus da gripe H1N1, pois tem efeito inibitório na divisão do vírus. “O tea tree não foi capaz de matar o vírus diretamente, mas dificultou o seu desenvolvimento e a replicação viral foi inibida em apenas 2 horas de infecção, indicando uma interferência com os estágios iniciais do ciclo replicativo da influenza”, conclui Fábián.

 

FONTE: PORTAL TERRA